Mostrando postagens com marcador Coletivo Feminista. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coletivo Feminista. Mostrar todas as postagens

8 de Março dia Internacional da Mulher - Datas Não Mudam Fatos

08 março 2018




Parabéns Mulher, parabéns por estar viva!
Parabéns Mulher, por não ter entrado pras estatísticas!
Parabéns Mulher, por ainda estar na luta diária!
Parabéns Mulher, por ter engolido o choro!
Parabéns Mulher, por todas as lágrimas não contidas!
Parabéns Mulher, por não desistir!
Parabéns Mulher, por ter coragem de andar na rua!
Parabéns Mulher, por ter seguido em frente, quando tudo te puxa pra trás!
Parabéns Mulher, por ter erguido a cabeça quando tudo te coloca pra baixo!
Parabéns Mulher!
parabéns Mulher!
PARABÉNS MULHER!

Desejo que todas estejamos aqui ano que vem e não nos tornemos vítimas do que é ser mulher, nesse país, onde a cada 11 minutos, uma mulher é estuprada, a cada 5 minutos uma mulher é agredida, onde UMA mulher é morta a cada DUAS horas.

Desejo que ainda tenhamos força pra lutar e que ainda tenhamos direitos para isso. 😢

Nos damos Parabéns, mas não vemos razão para comemorar com o coração sangrando. MORREMOS aos montes todos os dias.
Obrigada Mulheres por existirem e resistirem ♥

Resenha: Tudo Nela Brilha e Queima - Ryane Leão

24 novembro 2017


Estreia em livro de Ryane Leão, criadora da página onde jazz meu coração, com mais de 150 mil seguidores nas redes
Livro de estreia de Ryane Leão, mulher negra, poeta e professora, criadora do projeto onde jazz meu coração, com mais de 150 mil seguidores nas redes. “a poesia é minha chance de ser eu mesma diante de um mundo que tanto me silencia. é minha vez de ser crua. minha arma de combate. nossa voz ecoada. nossa dor transformada. nela eu falo sobre amor, desapego, rotina, as cidades que nos atravessam, os socos no estômago que a vida dá, o coração desenfreado, a pulsação que guia as estradas, os recomeços, os dias, as noites, as madrugadas, os fins, os jeitos que a gente dá, as transições, os discos, os tropeços, as partidas, as contrapartidas, os pés firmes que insistem em voar, e tudo isso que é maluco e lindo e nos faz ser quem somos.”

Edição: 1
Editora: Planeta
ISBN: 9788542211801
Ano: 2017
Páginas: 192





Oi gente, olha eu aqui de novo com mais uma resenha e a obra da vez é a coletânea de poemas da Ryane Leão, Tudo Nela Brilha e Queima. A estréia da autora no meio impresso, mas Ryane Leão já é um nome bem conhecido no meio poético nacional, onde ela passeia pelo universo da escrita desde 2010 quando começou a compartilhar seus textos na internet.

Em Tudo Nela Brilha e Queima, Ryane nos brinda  com uma série de poemas capazes de falar profundamente ao coração das mulheres. Trazendo em suas páginas uma intensa representatividade, palavras de empoderamento feminino e muitas vezes de consolo para situações enfrentadas pela grande maioria das mulheres. A Obra fala de intensidade, de amor, de percas, de rompimento, de autodescoberta, entre outras coisas, fala de nós. É um livro escrito de uma mulher para outra. E como leitora assídua eu posso dizer que tem sido gratificante poder presenciar a ascensão desse movimento à cada dia, a tomada das mulheres a esse espaço que nos é de direito, dentro da literatura.

"do que sei agora
me vi anos atrás
e quis dizer pra mim
se ame
antes de tudo começar
depois de tudo terminar
e durante esses espaços todos
se ame"
- Ryane Leão 



Enfim, Tudo Nela Brilha e Queima é um livro Maravilhoso e empoderado. Cheio de representatividade, escrito por uma mulher negra e que escreve com a alma. Que em seus textos fala de perto com a gente, traduz o que muitas de nós sentimos, tantas e tantas vezes e retrata bem a nossa realidade. Se você é brasileita, provavelmente irá se identificar. Esse livro é um afago na alma! 

Super Recomendo ♥

Resenha: Mulheres - Carol Rossetti

16 novembro 2017




Em 2014, a ilustradora Carol Rossetti começou a desenhar mulheres diversas para testar seus lápis de cor. Nunca poderia imaginar que suas criações despretensiosas ganhariam o mundo e iriam viralizar na internet a ponto de se tornarem matéria na CNN.
Com um traço característico e frases inspiradoras, Carol quebrou tabus e espalhou uma mensagem que ecoou em mulheres do mundo todo: somos fortes, merecedoras de respeito e especiais do jeito que somos, independentemente de opiniões e julgamentos alheios.
Agora, essa mensagem ganha o formato de livro e inclui textos sobre os temas centrais abordados em suas ilustrações, como corpo, estilo, identidade, relacionamentos e superação.
“Existem mulheres negras, brancas, morenas, latinas, asiáticas, indianas, indígenas. Existem engenheiras, donas de casa, prostitutas, senadoras, artistas, executivas, atrizes. Há mulheres cegas, surdas, mudas. Mulheres bipolares, deprimidas, ansiosas.
Existem heterossexuais, lésbicas, bissexuais, arromânticas, pansexuais, assexuais. Mulheres cristãs, ateias, budistas, islâmicas.
Há mulheres que não são ativistas, que nunca ouviram falar em feminismo, que nunca discutiram racismo. Mulheres que lutam de formas diferentes, a partir de ideias que não conhecemos. Existem mulheres que têm vergonha de compartilhar suas escolhas por medo de serem julgadas. E mulheres que discordam de tudo isso que eu disse até aqui.
Cada uma tem sua própria história, e acredito que todas elas merecem ser ouvidas e representadas. Minha abordagem será abrangente, convidando todos os que dividem comigo essa ideia de liberdade a celebrar a diversidade do ser humano.
A Cara de quem era louca pra ter esse livro *__*


Oi Gente, 
Hoje eu vim aqui trazer para vocês a resenha de um livro lindo que eu ganhei de presente da linda Alice do blog Seguindo o Coelho Branco, que é o livro Mulheres da Carol Rossetti. 
Eu devorei o livro sem pena, assim que ele chegou e posso dizer que fiquei sem palavras para descreve-lo devido a tamanha beleza. 

Resenha: Outros Jeitos de Usar a Boca - Rupi Kaur

24 julho 2017



'Outros jeitos de usar a boca' é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

Edição: 1
Editora: Planeta Brasil
ISBN: 9788542209303
Ano: 2017
Páginas: 208



Olá pessoal, primeiramente peço mil perdões pelo atraso da resenha, estou sem computar e usando o da minha filha sob ameaça. Espero dar um jeito nisso em breve, mas enquanto não acontece estou me virando como posso.
Vamos lá...

Divulga as Manas, as Minas e as Monas #1: Noites de Maria - Perolla Cristina

23 novembro 2016


Olá Amores, 
Hoje eu chego aqui com mais um projeto, que eu espero muito não deixar morrer, que é essa coluna Divulga as Manas, as Minas e as Monas. Como todas nós mulheres sabemos, o quão desfavorável para as mulheres cis, e mais ainda para as mulheres trans, é a disputa em relação a trabalho, nas mais diversas esferas. E a minha ideia com essa coluna é ajudar na divulgação do trabalho artístico de outras mulheres (cis e trans), principalmente os voltados para o público feminino e que tenham o intuito de promover esse empoderamento feminino. 


Resenha: A Mamãe é Rock - Ana Cardoso

13 julho 2016



Edição: 1
Editora: Belas-Letras
ISBN: 9788581743288
Ano: 2016
Páginas: 112
Livro cedido pela editora em parceria com a Lilian Comunica

Sinopse:Este é um livro sobre a maternidade e todos os sentimentos loucos que as mães têm em relação a quem de alguma forma criam, seja um filho natural, adotivo, neto ou sobrinho. É sobre família e é sobre as mães também, esses seres que falam uma língua estranha e chata que só entende quem entra para o clube e se torna uma delas. Não se preocupe, não é um livro de lamentações. É o contrário: tem histórias engraçadas, singelas e verdadeiras. Aqueles que leram O papai é pop estão convidados a conhecer o lado mais in/tenso da experiência. A mamãe é rock é um recorte sem filtro dos divertidos e comoventes malabarismos que um casal moderno faz todos os dias para criar suas filhas.

Resenha: O Efeito Lolita

06 julho 2016






Edição: 1
Editora: Larousse
ISBN: 9788576356264
Ano: 2009
Páginas: 240
Sinopse: A virada do milênio desencadeou um fenômeno intrigante: a garotinha sexy. É uma figura muito familiar na paisagem da mídia contemporânea: a ninfeta com rosto de criança e curvas voluptuosas, que posa de modo provocativo em capas de revistas para adolescentes. Ela tem sido celebrada e duramente criticada, e serve como ponto de partida para debates fervorosos sobre gênero, sexualidade, definição de infância e critérios para padrões sociais de aceitabilidade. Como, então, educar as adolescentes que são bombardeadas diariamente pela mídia com imagens e mensagens errôneas sobre sexo e sexualidade? Baseado em minucioso estudo, este livro tem como objetivo fornecer as ferramentas necessárias para que seja possível reconhecer e reagir de modo proativo a esse fenômeno. Examinar com rigor O Efeito Lolita permitirá desvendar os mitos que compõem o espetáculo da sexualidade das garotas na cultua pop convencional, propondo estratégias para que se possa reagir com eficácia a esse panorama que é, ao mesmo tempo, sedutor e precário.


Resenha de Filme: As Sufragistas

12 junho 2016


        Primeiro filme baseado em fatos reais sobre a luta por direitos das e para as mulheres. A luta Feminista historicamente foi (e ainda é) ridicularizada, muitas vezes usada para diminuir as mulheres, numa vã tentativa de desmobilizar a luta pela igualdade de gênero e por isso o filme se torna emocionante.

Afinal o que é Feminismo?

03 junho 2016

Olá Meus Amores!, é com muito prazer que inicio hoje aqui no Conversa de Alcova, vou procurar abordar e esclarecer a temática Feminista, mas afinal, o que é Feminismo?! Bom... apesar de toda mídia e mística feita acerca do tema não tem nada de agressivo ou emblemático, muito pelo contrário e, justamente por isso é tão fantástico. É mais ou menos como aquele livro que você não dá nada pela capa, mas não consegue largá-lo pro resto da vida, que não vê um momento livre para voltar e lê-lo novamente; enfim o feminismo nada mais é que um movimento social e político (espere não olhe de lado, dê uma chance..., afinal se você pensar direitinho, nós humanos sociais somos iminentemente políticos, fazemos política o tempo inteiro – e isso merece um post a parte) que tem como objetivo conquistar o acesso a direitos jurídicos e sociais iguais entre homens e mulheres, e que existe desde o século XVI.

Assim, agora que já está esclarecido que feminista é a pessoa que pensa criticamente, um projeto que visa mudar o mundo, que é uma ideologia que tem como base um impulso ético e um efeito político social, que pode transformar a sociedade na direção de um mundo de direitos e respeito às diferenças e às singularidades, diferentemente da mística criada que as feministas querem sobrepor a cultura feminina acima da cultura masculina, como acontece no machismo.

Resenha: Mulheres - Carol Rossetti

02 maio 2016

 
Edição: 1
Editora: Editora Sextante
ISBN: 9788543102276
Ano: 2015
Páginas: 160
Sinopse:
Em 2014, a ilustradora Carol Rossetti começou a desenhar mulheres diversas para testar seus lápis de cor. Nunca poderia imaginar que suas criações despretensiosas ganhariam o mundo e iriam viralizar na internet a ponto de se tornarem matéria na CNN.
Com um traço característico e frases inspiradoras, Carol quebrou tabus e espalhou uma mensagem que ecoou em mulheres do mundo todo: somos fortes, merecedoras de respeito e especiais do jeito que somos, independentemente de opiniões e julgamentos alheios.
Agora, essa mensagem ganha o formato de livro e inclui textos sobre os temas centrais abordados em suas ilustrações, como corpo, estilo, identidade, relacionamentos e superação.
“Existem mulheres negras, brancas, morenas, latinas, asiáticas, indianas, indígenas. Existem engenheiras, donas de casa, prostitutas, senadoras, artistas, executivas, atrizes. Há mulheres cegas, surdas, mudas. Mulheres bipolares, deprimidas, ansiosas.
Existem heterossexuais, lésbicas, bissexuais, arromânticas, pansexuais, assexuais. Mulheres cristãs, ateias, budistas, islâmicas.
Há mulheres que não são ativistas, que nunca ouviram falar em feminismo, que nunca discutiram racismo. Mulheres que lutam de formas diferentes, a partir de ideias que não conhecemos. Existem mulheres que têm vergonha de compartilhar suas escolhas por medo de serem julgadas. E mulheres que discordam de tudo isso que eu disse até aqui.
Cada uma tem sua própria história, e acredito que todas elas merecem ser ouvidas e representadas. Minha abordagem será abrangente, convidando todos os que dividem comigo essa ideia de liberdade a celebrar a diversidade do ser humano.
 

Bela, Recatada e do Lar - Não Sou Obrigada!

21 abril 2016

Acredito que todo mundo já deve ter visto a ultima da revista Veja, que tentando criar tendência (lê-se propagando machismo) saiu com a Brilhante Reportagem ostentando na capa a imagem da esposa do vice presidente Michel Temer e intitulada, no pior estilo "Anos 50", de Bela, Recatada e Do Lar
Deixando bem claro que: Não há problema nenhum em ser Bela, Recatada e do Lar, da mesma maneira que não há problema nenhum em não ser nada disso, não há problema nenhum em ser completamente o oposto disso. 
O problema está em um meio de comunicação de massa, valer-se de um modelo de mídia manipulativo para tentar induzir/impor a maneira como as mulheres devem se portar e consequentemente o modelo feminino a ser combatido. Tentando assim, firmar o modelo machista que nós MULHERES a tão duras penas, viemos ao longo dos anos tentando desconstruir. 
 E é por isso que hoje nós trazemos essa postagem, criada com a participação dxs amigxs do Facebook (♥), onde eu trago o exemplo de várias personagens que não são #BelasRecatadasedoLar, e que nos mostram como a mulher pode ser o quem ela quiser. 
Foram tantos nomes que surgiram, tantas indicações de personagens que vocês podem conhecer e se Inspirar que infelizmente não conseguirei citar todos ou a postagem seria muito extensa, mas quem sabe esse post seja apenas o primeiro de vários com a mesma finalidade.

Rê Bordosa é uma personagem criada pelo cartunista Angeli, e que brilhou nas páginas da extinta revista Chiclete com Banana. Rê é uma mulher de aproximadamente 40 anos, alcoólatra, ninfomaníaca, desbocada e desprovida de bom senso, cujas histórias giram em torno de suas manias e desejos. Como a Personagem fez sucesso ao ponto de eclipsar o autor, esse resolveu matá-la. Mas volta e meia ela retorna a mídia

Lançamentos Arqueiro: Profundo & Intenso - Todos contra o Revenge Porn!

25 março 2016

Esses dias passeando pela blogosfera eu vi em alguns blogs parceiros da Editora Arqueiro uma postagem coletiva sobre esse livro e fiquei com muita vontade de participar, mesmo não sendo o Conversas de Alcova parceiro da editora, pois acredito que esse livro aborda um tema muito forte e muito atual. Que não só merece, como necessita ser abordado.
Só que a minha ideia de Blogagem coletiva vai ser um pouco diferente, como aqui no blog somos três colunistas e três feministas, cada uma com as suas opiniões, mas com o máximo de respeito possível uma pela outra, iremos escrever uma postagem sobre o tema juntas. Acredito que ficará enorme, mas será muito interessante.



Profundo e Intenso são lançamentos da Editora Arqueiro, que lidam com um tema bastante atual no nosso cotidiano, a Vingança Pornô (Porn Revange).

Vamos Conversar? Por Carol Rossetti

22 março 2016

Olá Migxs Leitorxs


Vocês se lembram da Designer e Quadrinista Carol Rossetti?
Sim, aquela que ficou famosa pelo seu trabalho sobre empoderamento feminino através das suas magnificas ilustrações publicadas no Facebook e que recentemente também teve seu livro Mulheres pela Editora Arqueiro
Lembrou???
Pois é, a Carol está engajada em uma nova campanha, dessa vez junto a órgãos como a ONU Mulheres Brasil, a Secretaria Adjunta de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do Distrito Federal, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e lançaram no dia 8 de Março de 2016 a Cartilha "Vamos Conversar".